terminologia O que é normalização de banco de dados? Stack Overflow em Português

Normalização de dados é um conjunto de regras aplicadas a tabelas de banco de dados relacionais a fim de manter a consistência dos dados, evitar duplicações/redundância e problemas com remoções ou atualizações de registros. Uma coluna está em dependência funcional com a chave primária quando ela é determinada no domínio da aplicação por meio da chave primária. https://rondoniatual.com/2024/01/18/curso-de-teste-de-software-cresce-procura-por-formacao-na-area-de-ti/ Uma coluna não tem dependência funcional com a chave primária quando ela é definida de forma independente da chave primária ou quando ela é definida a partir de alguma outra coluna que não seja a chave primária. Dado o exposto, a aplicação das regras de normalização de dados é altamente recomendada, pois os ganhos são consideravelmente relevantes.

Normalização de banco de dados

Entretanto, o processo de normalização também sempre (sem exceções) faz aumentar o número de tabelas e em muitos casos pode ser algo difícil de se realizar. Além disso, bancos de dados normalizados além do necessário podem ter desempenho ruim e/ou complexidade excessiva, precisando então de alguma desnormalização. Vários formulários normais foram padronizados, mas os mais comuns e os mais importantes a conhecer são os três primeiros – é por isso que os estamos a discutir mais detalhadamente neste artigo. No entanto, para além dos formulários normais, existem outras regras gerais a que se quer ater. Por exemplo, as tabelas dentro de uma base de dados devem conter uma chave primária. Os valores da chave primária distinguem cada linha e associam cada registo com uma identificação única.

Normalização de banco de dados com exemplos

Ela se concentra na organização de dados de maneira lógica e eficaz. O objetivo é evitar redundâncias e melhorar a integridade dos dados, tornando as operações de leitura e gravação mais eficientes. O conceito de normalização e as formas normais se aplicam somente aos bancos de dados relacionais. Porém, nesse campo, os conceitos de normalização não são tão bem definidos quanto no caso de bases de dados relacionais e cada caso terá as suas particularidades. Ao efetuar o processo de normalização os dados cadastrados no banco de dados ficarão organizados de uma forma melhor e na maioria das vezes (mas nem sempre) também ocuparão menos espaço físico.

  • No entanto, para além dos formulários normais, existem outras regras gerais a que se quer ater.
  • Para mover nossa tabela 2NF para 3NF, precisamos novamente dividir nossa tabela novamente.
  • Novamente, para que a 5FN seja atingida, é necessário atingir-se a 4FN primeiramente.
  • Em vez de ter um sistema com informações canônicas tem-se várias subsistemas cada um com sua informação canônica (possivelmente), mas no todo viola-se o DRY por completo e vira um pesadelo cuidar disso.
  • Além disso, para uma tabela estar na 3FN, ela deve estar primeiramente na 2FN (e também na 1FN).

Esta norma afirma que todos os dados em uma tabela devem depender apenas da chave primária dessa tabela e não de qualquer outro campo da tabela. Observa-se que apenas os atributos primos codigo_cliente Curso de teste de software: drible a falta mão de obra no mercado de trabalho e data_pedido dependem não transitivamente da chave primária. Analisando a tabela de “Vendas”, percebemos que o atributo “Produto” não é completamente dependente da chave primária “N_pedido”.

Normalização

Para entender os conceitos apresentados neste artigo, é necessário que você tenha as noções básicas de banco de dados relacionais, para não ficar perdido. Por exemplo, precisa conhecer o que é uma tabela, o que é um atributo etc. Não vamos entrar nesse assunto hoje para o conteúdo não ficar muito extenso. Compradores e usuários esperarão todas as vantagens de um SGBD verdadeiramente relacional e não conseguirão obter essas vantagens. As regras 10 e 11 — independência de integridade e independência de distribuição — são aspectos da abordagem relacional que não receberam atenção adequada até à data, mas que provavelmente se tornarão tão importantes quanto a oito e a nove. Nas regras de oito a 11, especifico e exijo quatro tipos diferentes de independência destinados a proteger os investimentos dos clientes em programas de aplicação, atividades de terminal e treinamento.

E se, ao invés de repetir todos os dados, deixássemos algumas colunas vazias, como a de dados do cliente ou do pedido, já que já o inserimos na primeira vez? Na tabela “livros”, encontramos um problema de redundância de dados, ou seja, dados que se repetem diversas vezes. É o caso da autora Sarah J. Maas, que escreveu os livros “Corte de asas e ruínas”, “Corte de Estilos”, e “Trono de vidro”. Nesse caso, temos dados repetidos que poderiam ser organizados de maneira diferente. Depois da apresentação do projeto, a gestão questionou Marta sobre a quantidade de tabelas propostas, pois poderiam ocupar muito espaço em disco, causando um aumento substancial no custo de manutenção do banco de dados.

Anomalia de inserção

A 5FN é mais restrita que a 4FN, e também se aplica à tabelas com 3 ou mais colunas na chave primária. Novamente, para que a 5FN seja atingida, é necessário atingir-se a 4FN primeiramente. Todas as colunas devem ter dependência funcional com a totalidade da chave primária e nada mais além da chave primária. Na maioria dos casos por “cada chave candidata”, entenda-se por “com a chave primária”, exceto se houver mais do que uma chave candidata.

  • O mesmo que vale para o código vale para o dado, é importante ter uma referência única sobre aquele conhecimento.
  • Neste artigo, vamos ver o que é a normalização de dados, por que ela é necessária e quais são seus benefícios.
  • A chave primária da nova entidade será o atributo do qual os atributos removidos são funcionalmente dependentes.

A chave primária pode ser composta por uma ou mais colunas da tabela. Aprenda a normalizar uma base de dados para armazenar a informação de maneira inteligente. A abordagem relacional é altamente dinâmica de forma intencional — ou seja, raramente será necessário interromper a atividade do banco de dados (em contraste com um SGBD não relacional). Portanto, não faz sentido separar os serviços listados acima em linguagens distintas. Doze regras são citadas abaixo como parte de um teste para determinar se um produto que se afirma ser totalmente relacional o é realmente. O emprego do termo “totalmente relacional” neste relatório é ligeiramente mais rigoroso do que no meu artigo de Turing (escrito em 1981).